Latest Posts:

Amphiprion ocellaris | Barbatanas Blog

Filo: Chordata
Classe: Actinopterygii
Ordem: Perciformes
Família: Pomacentridae
Género: Amphiprion
Espécie: Amphiprion ocellaris

"Olha o Nemo!" Diriam os mais pequenos... De facto este pequeno peixe ficou bastante famoso após o filme da Disney, tal como uns quantos outros, como no caso de Paracanthurus hepatus.
No entanto, não deixa de ser um ser vivo e deve ser tratado como tal, esta é a primeira regra!

O peixe-palhaço comum habita os recifes tropicais do Indo-Pacífico e é regularmente visto em associação com anémonas, com as quais estabelece relações de mutualismo. As anémonas são conhecidas por serem urticantes mas os peixes-palhaço não são picados por estas, devido ao muco que segregam e que os protege destas. 
Desta relação que é estabelecida, ambos os organismos beneficiam: o peixe recebe protecção e abrigo, enquanto que a anémona é defendida por ele e também obtém pedaços de comida que o pequeno peixe captura e cujos desperdícios esta aproveita. Na natureza, não é qualquer anémona que é digna de se tornar um lar para A.ocellarise assim, os típicos hospedeiros são das espécies Heteractis magnifica, Stichodactyla gigantea e Stichodactyla mertensii, no entanto, em aquários por vezes também é possível observá-los associados a outras espécies, e não necessariamente anémonas, mas também corais, por exemplo, xénias.


Os peixes-palhaço são hierarquicos, e assim, existe uma organização dentro da comunidade. A fêmea maior é dominante e apenas acasala com o maior macho disponível. No caso de a fêmea morrer, então esse maior macho tornar-se-á uma fêmea. Isto é possível uma vez que todos os indivíduos nascem machos, no entanto possuem órgãos femininos dormentes. Aquando do acasalamento, os ovos são depositados na anémona ou num local próximo a ela e ambos os progenitores cuidam dos ovos e prole, arejando os ovos e removendo os infectados com fungos ou que não foram fertilizados.

Com características tão peculiares, não é de esperar que seja um autêntico sucesso na indústria da aquariofilia e um outro factor a favor é a fácil reprodução em cativeiro e a sua excelente resistência, o que faz dele um bom candidato a iniciantes em aquariofilia de água salgada. Mas não se esqueçam de como iniciei a publicação! É um ser vivo, e deve ser tratado como tal.

Fiquem bem!


Share on Google Plus

About João

The author studied Marine Biologist and is a fishkeeper since the age of 12. The most exciting aspect of the hobby for him is to breed fish and develop certain strains of fish and invertebrates.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário

Most Trending